Análises Games

Análise | Cuphead: O suprassumo dos jogos indies!

  • Compartilhe:
Pop Art SkinsPop Art Skins

Cuphead é lindo, gostoso e do mal!

Cuphead, aclamado game do estúdio MDHR, chegou recentemente ao PlayStation 4. Agora, o game ficará mais acessível e muito mais jogadores terão acesso à essa obra prima.

Aproveitando a novidade resolvi contar a esses novos jogadores o que encontraram no universo do formoso Cuphead. Vale lembrar que Cuphead ganhará uma série na Netflix.

Confira minha breve análise do título lançado em Setembro de 2017.

Cuphead
Captura de tela – Cuphead

Gameplay

Cuphead se trara de um game de plataforma onde podemos; andar para trás e para frente, pular, deslizar (inclusive pelo ar) e atirar, usando a ponta dos dedos.

Dentro do game, nossa progressão vai liberando partes do mapa com novas fases, algo comum em jogos do passado como Donkey Kong, Mario e muitos outros. Na grande maioria dessas fases encontramos lutas contra chefões – E que chefões!

Uma das características mais marcantes do game é justamente a sua dificuldade excessiva! Sim, você vai morrer, e morrer, e morrer! Até finalmente ver o Knockout, Nocaute em português, palavra que aparece ao completar cada nível. A dificuldade pode afastar muitos jogadores do game, no entanto, não dá para enxerga isso com um defeito. O game te permite escolher entre os modos fácil e normal, na minha opinião, o modo fácil pode ser um pouco frustante, os chefões perdem alguns movimentos, o jogo parece perder um pouco do seu brilho. Mas é compreensível que para muitos jogadores essa seja a única forma de concluir o game.

Por que é tão difícil? Muitos elementos na tela tira a sua atenção e foco. Você se preocupa com a bomba que vem de cima, há espinhos embaixo e a sua frente vem mais um ataque do furioso chefão.

O excesso de coisas acontecendo ao mesmo tempo prejudica o modo cooperativo (local) do game. Na minha experiência jogando com meu irmão, por diversas vezes confundia qual personagem estava sob meu comando e o excesso de informações na tela, somados a outro personagens e seus tiros complicam ainda mais a jogatina.

Um dos pontos altos do game é o seu design, o jogo é lindo! Cada fase, cada chefão, cada cantinho daquele cenário foi desenhado à mão e com muito esmero. A parte sonora do game também merece todos os elogios do mundo.

Cuphead
Captura de tela – Cuphead

Enredo

Xicrinho e Caneco, protagonistas do game, se metem em uma encrenca envolvendo o próprio Diabo em pessoa. Agora, eles precisam caçar a almas de alguns devedores (Chefões) para sair dessa. Durante o progresso do jogo, vamos conversando com alguns personagens bem legais como, por exemplo, o senhor porco. Em sua lojinha os jogadores podem comprar itens, poções de poder e até vida extra. O enrendo não é um ponto forte, mas não acredito que isso seja defeito de um game run and gun (ou correr + atirar). O jogo é divertido, desafiador e a cada vitória suada te motiva demais a seguir em frente.

Vale a pena?

Cuphead é o suprassumo dos jogos indies, eu o colocaria com um título obrigatório para todos que são apaixonados por video game. Você vai sofrer, vai fechar o aplicativo do jogo, vai sentir vontade de tacar o seu controle pela janela, mas não desista! Cuphead merece o seu esforço.

Cuphead foi analisado em um PS4 com uma cópia gentilmente cedida pelo estúdio MDHR.


Para mais informações sobre games, acompanhe a Manual no Facebook, Twitter, Instagram e através de nosso canal no Youtube.

Publicado em 7 de agosto de 2020 às 14:36h.
2020-08-07 14:36:04