Análises Destaque Jogos Lançamentos Nintendo pc PC

Análise | Katana ZERO

  • Compartilhe:
Pop Art SkinsPop Art Skins

Katana Zero foi lançado no último dia 18 de abril. Desenvolvido pela Askiisoft e distribuído pela Devolver Digital, para PC e Nintendo Switch. Meus amigos, e que incrível é esse jogo, a inventividade das desenvolvedoras independentes parece não ter limites.

Imaginei que após o lançamento de GRIS, também distribuído pela Devolver Digital, fosse levar algum tempo até ser surpreendido pela originalidade de um novo indie, mas não podia estar mais enganado. Duplamente enganado para ser mais específico: logo nos primeiros meses desse ano tivemos o lançamento do divertidíssimo Ape Out, e agora somos presenteados com mais uma obra de arte que, com seus gráficos pixializados, estilo noir repleto de elementos cyberpunk e uma história impressionante, já é um sucesso de público e crítica.

Afiem suas espadas, vistam seu quimono e vamos juntos conferir o impressionante Katana ZERO!

CRONOS, A DROGA DO TEMPO

O jogo tem elementos de cyberpunk onde vamos controlar um Samurai assassino com um passado misterioso, revelado pouco a pouco ao longo do gameplay em diálogo com múltiplas escolhas de perguntas e respostas, que até certo ponto tem algum impacto no desenvolvimento do enredo.

Este Samurai é completamente dependente de uma droga chamada Chronos, que lhe confere a habilidade de manipular o tempo ao redor de si, reduzindo a velocidade como as coisas acontecem e possibilitando o assassinato de múltiplos alvos com a máxima eficiência possível. Porém essa droga causa severos efeitos colaterais ao corpo e à mente do usuário, e a sua invenção esconde mistérios sinistros que envolvem mais coisas que o protagonista pode imaginar.

Cabe a você guiá-lo por uma desafiadora jornada de assassinatos e descobertas que abalarão profundamente a vida do Samurai e dos envolvidos na confecção da Chronos.

SANGUE E FÚRIA

Katana ZERO é um jogo de plataforma em 2D, com lindíssimos gráficos pixializados, além de contar com uma trilha sonora excelente (música eletrônica), que está lá não só como um plano de fundo para preencher o vazio, mas também faz parte do cotidiano do Samurai Assassino, que no início de todas as suas missões liga seu mp3 e retalha seus inimigos em grande estilo.

O jogo tem início com uma contagem regressiva de dias. No começo de cada um deles você vai se consultar com um psiquiatra, também responsável por te passar as missões de assassinato e administrar as doses de chronos. Após cada seção, você receberá os arquivos necessários para identificar e localizar o alvo que deve ser eliminado. Em alguma das missões você deverá agir discretamente, causando o menor dano colateral possível, e em outras, nenhuma testemunha poderá sobreviver.

O jogo trás um gameplay que se desenvolve com velocidade frenética, e praticamente não te dá margem para erros. Controlando o Samurai você vai pode andar, correr, saltar, realizar ataques rápidos com a espada, rolar lateralmente além de fazer uso da droga chronos, que dará a capacidade de reduzir a velocidade com que o tempo passar por alguns instantes.

O coração da jogabilidade em Katana ZERO gira ao redor do controle do fluxo do tempo, a movimentação do protagonista e dos inimigos é super acelerada: você precisará atacar e se defender com precisão cirúrgica. E contra determinados inimigos ou salas superlotadas deles, precisará retardar o tempo e realizar as ações necessárias em uma sequência de movimentos precisos até eliminar todos.

Não se deixe enganar, descrevendo aqui posso te passar erroneamente a impressão de que tudo é muito simples, não é. Você vai morrer, e vai morrer muito até conseguir realizar com precisão a sequência de ações necessárias para eliminar todos os inimigos. O jogo tem uma curva de aprendizado coerente, porém nas missões finais as coisas ficam cada vez mais insanas, e algumas fazes vão te fazer quebrar a cabeça para valer.

Por falar em inimigos, a variedade deles é boa, você vai enfrentar desde capangas que tentam te matar na porrada, até meliantes armados até os dentes com metralhadora, pistolas e escopetas. Além de torretas, drones e lasers que estão lá com o único objetivo de acabar com a sua raça. O ponto em comum entre todos eles é que você morra com apenas um golpe.

Além dos elementos mais dinâmicos de gameplay, a história do jogo se desenvolve em uma série de diálogos muito bem escritos, nos quais você terá uma participação ativa, e suas escolhas podem influenciar acontecimentos que se desenrolam tanto na história do jogo quando no desfecho de algumas missões e elementos da história que podem ser descobertos, ou passarem despercebidos.

Ao iniciar qualquer conversa, uma barra vermelha é carregada, e você pode interromper tudo com uma resposta curta e grossa, ou permitir que o diálogo se desenrole por mais alguns instantes. Além disso, Katana ZERO traz ao menos dois finais diferentes, e os dois são bastante coerentes com o enredo do jogo de maneira geral.

VALE A PENA JOGAR?

Katana ZERO é incrível, com um design de arte lindíssimo e uma trilha sonora impecável, além de uma história muito bem elaborada que se desenvolve ao longo de diálogos excelentes. Aliados a um gameplay sólido, frenético, viciante e desafiador na medida correta, definitivamente é indispensável para todos os jogadores, especialmente se você possuir um Nintendo Switch.

Seguramente é uma das melhores surpresas do ano, e traz um fator replay que é um prato cheio para os speed runners, ou mesmo para os jogadores comuns que querem completar as fases do jogo no menor tempo possível.

“Uma cópia de Katana ZERO foi gentilmente cedida à Manual dos Games pela Devolver Digital

Publicado em 22 de abril de 2019 às 23:44h.
2019-04-22 23:44:06