Análises Games

Análise | NBA 2K20

  • Compartilhe:
Pop Art SkinsPop Art Skins

NBA 2K20 é desenvolvido pela 2K Sports e pela Visual Concepts e traz anualmente um game de basquete novo e fresco para os jogadores aproveitarem a nova temporada da NBA.

Os desenvolvedores, a cada ano que passava, sempre traziam novidades e criavam uma experiência mais completa em videogames esportivos. Este ano não é diferente, pois o jogo tem um conteúdo muito bom e traz até a história do MyCareer produzida pela James SpringHill Entertainment.

De novidades este ano temos uma engine de movimento melhorado com estilos característicos. Pela primeira vez, todos os 12 times da WNBA e mais de 140 jogadoras estão no jogo. Os times lendários também estão disponíveis: mais de 10 novos times lendários do passado  e times de melhores da década de todas as eras da história da NBA.

Gameplay e visual alinhados

Os jogos da série 2K são conhecidos por terem gráficos incríveis e gameplay muito boa e esse ano não é diferente. Na,  o game teve melhorias no mecanismo de movimento trazendo melhores animações. 2K afirma que a jogabilidade inclui uma nova defesa de leitura e reação, um novo sistema de dribles e novas colisões fora da bola.

A jogabilidade ainda parece a mesma em sua essência (até por que ela é boa). O sistema de drible é para usuários avançados, pois estão ligadas a usar controles na hora certa e na sequência certa(eu errei diversas vezes).

O jogo é baseado no tempo, então passar a bola e arremessar não é fácil e tem que ser feitos na hora certa. Uma coisa importante é que a fadiga desempenha um papel importante. Isso por que se você estiver jogando correndo a maior parte do jogo, haverá mais erros nos arremessos.

A apresentação do jogo também continua de qualidade.  Ela é dinâmica, de qualidade televisiva, com estrelas como Kevin Harlan, Ernie Johnson e muitos outros. A qualidade do áudio é muito boa, e o game deste ano traz novos programas em estúdio e introduções de jogos, entrevistas de MyPLAYER, cobertura de recordes e marcos.

MyCarrer, o ponto alto mais baixo

A franquia há muito tempo conta com celebridades e autores para dirigir esse modo. Neste ano aparecem grandes nomes do mundo da atuação e do basquete, de Idris Elba e Rosario Dawson a Mark Cuban e LeBron James. Ernie Hudson e Thomas Middleditch estão aqui, e o astro Anthony Davis lidera um grupo de jogadores, cada um aparecendo por um tempo muito curto.

O modo traz diversas estrelas mas aí está o problema: essa história é focada na de participações especiais que são mais adicionadas à lista de pessoas famosas do que contar uma história interessante que prende o jogador. Ninguém fica por muito tempo, mas cada um recebe papéis significativos, mas que aparecem de forma forçada.

O modo é basicamente um filme (estilo Madden 19 ou 18). Não há muitas oportunidades para tomar decisões, e as que você toma são insignificantes. O modo traz tudo meio que pré-definido, você escolhe seu jogador, faz escolhas de cidades para treinar e jogar e de resto nada muda.

Durante o modo você participa de jogos completos, 1 contra 1, 2 contra 2 e 3 contra 3. Aconteceram alguns casos em que ao concluir uma tarefa mostrará que ela foi concluída, mas não há recompensa por isso (acredito que um patch corrija isso).

No final de tudo, mesmo que meu jogador não fosse ótimo (por que eu não sou o cara mais habilidoso do mundo), quando cheguei ao Draft, eu era uma escolha sólida para a primeira rodada. Completar os minijogos no Combine é difícil mas muito legal e desafiador, como é na vida real.

Depois do draft você vai chegar no velho conhecido, The Neighbourhood. Sim, você ainda tem que se mover quase caminhando e passar através de várias telas de loading para conseguir girar uma roda para obter um bônus diário (falarei das microtransações mais a frete). Não só aqui temos uma lentidão, mas para qualquer coisa tem loading e ele é demorado.

MyGM renovado

O modo MyGM foi renovado, e isso prova que a Visual Concepts quer trazer bons modos offline. Na tentativa de torná-lo mais um jogo de estratégia do que um simulador, o “MyGM 2.0” introduz um sistema de pontos de ação, limitando o que você pode fazer para fazer valer cada ação.

Este sistema fornece ao MyGM mais uma identidade separada do MyLeague. Os momentos de diálogo ainda são relativamente fracos, mas o MyGM é uma experiência mais interessante desta vez.

MyTeam, o cassino que vem com um simulador de basquete

O modo possui alguns recursos novos e interessantes. Temos as cartas que podem evoluir (estilo PES), estrelas atualizáveis ​​e cartas de lendas como Vince Carter, cuja classificação geral pode melhorar ao se completar um conjunto de objetivos no jogo.

O modo em si pode ser o caminho certo para isso. Ter muitos jogadores atuais e passados ​​para ajudar a formar uma equipe em torno de um treinador e sua filosofia é legal, permitindo misturar e combinar escalações com diferentes treinadores.

Cada jogador ainda tem contratos, o que significa que, se você tiver as cartas, não há garantia de usá-la sempre. Se os contratos se esgotarem, o dinheiro será gasto, a menos que você pague pelos contratos. Você pagou pela Deluxe Edition para ganhar cartões e pacotes extras, ok, mas tudo se vai pela janela quando esses contratos terminam. Há muitos jogos para um jogador e vários jogadores para escolher, e um envolve um período de 12 jogos. Se você quiser essas recompensas, seus jogadores ficarão sem contratos. Tudo leva a usar dinheiro.

Entre os jogos no modo, tanto online quanto offline, você pode jogar jogos de cassino para ganhar pontos de bônus MyTeam. É preocupante que um modo que já enfatize as microtransações possua jogos de cassino reais. É quase uma piada isso, o jogo te faz querer ir para um cassino enquanto joga.

Além disso, o jogo é livre para todos os públicos. Isso ta errado, mas muito errado. O sistema de classificação (ESRB) deveria colocar uma aviso e aumentar a idade mínima para 16 ou 18, pois ok, é um jogo de basquete, mas com um cassino cheio de jogos de azar.

WTF

Tive que fazer essa seção um pouco diferente para esta análise. Eu amo demais os jogos da 2K, principalmente o NBA 2K, mas esse ano está complicado. Começando pelo online, cheio de problemas par jogar  online, a não ser no MyTeam, esse modo online funciona desde o dia 1, estranho né?.

Depois, no MyCarrer, era decepcionante. Eu jogava a partida ou fazia os desafios que eram dados, mas no final não vinham as recompensas. Aconteceram algumas vezes isso e jogar, completar o desafio e não ser recompensado é triste.

Para completar, deixo esse print. O NBA 2K20 no PC, tem o ícone do NBA 2K19. É triste senhores, é muito triste.

Resumindo

O NBA 2K20 é um jogo sólido mas é igual aos anteriores e ainda traz um cassino. É triste ver o caminho que os jogos de esporte estão tomando em relação as microtransações e as poucas e fracas novidades.

O que salva o jogo é o seus anteriores. Eles sempre tiveram e tem uma experiência incrível, mas a falta de novidades, problemas do online, glitches, bugs e a cópia do ano anterior, decepcionam. Não vale a pena comprar ele por agora, mas se tiver uma promoção boa, talvez valha a pena.

NBA 2K20 foi analisado no PlayStation 4 com uma cópia disponibilizada pela 2K.

Publicado em 12 de setembro de 2019 às 12:00h.
2019-09-12 12:00:49