Análise | Sonic Frontiers

Sonic Frontiers

Uma nova rota

Sonic Frontiers mudou a cara da franquia do ouriço azul da SEGA e trouxe um “frescor” à saga. Nos seus últimos 31 anos, acompanhamos a franquia ter seus altos e baixos, a cada geração de Sonic havia um boom ou uma decepção, títulos que revolucionaram a série para sempre, como Sonic Adventures há uns 24 anos.

Percebemos que tem uma inspiração meia obvia aqui, como o The Legend of Zelda: Breath of the Wild, pelos menos nas ações com os objetos e a forma como o som de efeitos no jogo é apresentado. A série inova e tenta retomar o fôlego com algo novo e podemos adiantar, que a saga está seguindo o caminho certo.

A narrativa

A história começa com o Sonic, Tails e Amy indo atrás das Esmeraldas do Caos, no entanto, sem muita explicação, a princípio, o Sonic e seus amigos são sugados para uma outra dimensão, chamada de Cyberspace (Ciberespaço), uma dimensão digital, de fato. Porém, o Sonic é ligeiro e consegue escapar desta zona paralela e acorda nas Ilhas Starfall a procura de seus amigos.

Ao longo da aventura, o Sonic acaba descobrindo que Amy e Tails estão presos em algum local, mas o “corpo” holográfico deles permanece nas zonas abertas da ilha. A narrativa é algo forte do jogo, pois deixa o jogador envolvido com o mistério de todos os personagens do Sonic estarem no Ciberespaço, inclusive o Doutor Eggman e Knuckles foram colocados no Ciberespaço e sua missão é salvar a todos e entender a história, algo que vai fazer por conta própria.

Gameplay, designer e mapas

O gameplay é mais arrojado, quanto os outros jogos da saga, pois não é apenas o clássico, seria algo moderno a franquia, juntamente com o clássico. O título traz mecânicas novas em sua jogabilidade, como diferentes jeitos em seu ataque ou o Cyloops, que podemos desenhar e trazer dano aos inimigos.

Bem, uma coisa notável é o aspecto 3D no mapa, tanto os inimigos, quanto os cenários. O mundo inclusive é semiaberto, algo que os fãs da franquia não estão acostumados, mas é bastante visível, mas calma, é algo bem melhor que seus antecessores tentaram implementar. A cada novo mapa dos 5 existentes no jogo, conseguimos ver uma paisagem diferente, uma desértica (Ares Island), uma planície (Kronos Island, Rhea Island, Ouranos Island) e uma vulcânica (Chaos Island).

Em todos estes mapas, possuem desafios com fases 2D e 3D, puzzles, pescar com o Big, diversidade de inimigos e muitos playgrounds com anéis e “itens mnemônicos” para pegar, os desafios requerem tempo e podem trazer chaves para o Sonic abrir os cofres das Esmeraldas do Caos e derrotar os bosses de cada uma destes mapas.

Cada passo no novo mundo é um novo desafio

A cada novo desafio, é descoberto um novo jeito de fazê-lo de um jeito novo, principalmente com relação aos desafios de torre, onde é possível cumprir um certo requisito para ganhar as chaves e as notas. Bem, caso o jogador tente alcançar a classe S nos desafios de torre, basta apenas terminar em menos de 1 minuto e está garantido o desafio.

Inclusive, os desafios de torre trazem mapas tradicionais da franquia como Green Hill Zone, Chemical Plant Zone e Radical Highway. Pelo menos uma destas fases de desafio da torre trazem um aspecto com a câmera igual ao jogo e com a câmera tradicional de seus antigos games.

Isto se torna um loop natural do jogo ao longo da gameplay, que no mapa o jogador derrota mini-bosses para coletar engrenagens para fazer os desafios das torres. Ao completar os desafios de torre, o jogador pode ir veloz atrás das Esmeraldas do Caos e se transformar em Super Sonic e derrotar em uma batalha fantástica, cada Titã das Ilhas Starfall.

Pode-se observar que no mapa, a cada puzzle para liberar uma região do mapa, existem diversos marcadores, que mostram ao jogador onde está localizado cada desafio, mini-bosses, os mnemônicos e entre outros itens, onde o fluxo segue perfeitamente com a narrativa.

Os avanços

Mapa Kronos 1
Fonte: SEGA

Certamente, o fluxo do jogo deixa o jogador se sentir em casa, mas com um espaço maior para correr e bagunçar no mapa. Nas estruturas do mapa, o game guia o jogador fantasticamente em direção aos seus pontos de interesse, que leva a plataformas e mais plataformas.

Na narrativa exige que você colete alguns itens para avançar na história, mesmo que algumas vezes o jogador possua o item. Alguns cuidados quando estiver no mapa dos Ares, existem inimigos que roubam suas Esmeraldas do Caos – pega ladrão.

A cada nova descoberta e interação com os ambientes é possível ver as coincidências com o mundo de The Legend of Zelda: Breath of the Wild, além dos efeitos sonoros, que fazem o jogador se sentir em casa.

Alguns problemas

Sonic camera
Fonte: SEGA

Bem, Sonic Frontiers, assim como a franquia God of War é um exemplo de reinvenção após anos, no entanto, Sonic ainda tem suas falhas – assim como todos tem. Ao avançar nos mapas, percebemos os mesmos artifícios na narrativa, a jogabilidade e cenário mudam um pouco, inimigos, golpes e playgrounds.

Mas ainda assim, o jogador vai ficar com um Déjà-vu e perceber que aquilo se repetiu, mesmo com algumas coisas diferentes, é um tanto tedioso chegar ao final. Bem, a câmera às vezes fica com um zoom apertado quando o Sonic está se movimentando pelo ar e alguns saltos imprecisos.

Combate

A variação de golpes é algo que impressiona no jogo, não chega a ser muito grande, mas é uma boa variação e combinação de botões. No início o jogador começa com um combo simples, entretanto, ao passar o tempo, o jogador consegue evoluir a sua árvore de habilidades e aprender novos golpes.

No entanto, a árvore de habilidades não é algo que seja necessário, já que os golpes e movimentações o Sonic acaba aprendendo ao longo da jornada, ou seja, a árvore está ali por ser algo contemporâneo nos jogos.

A movimentação do Sonic é muito bonita em cada detalhe do combate e os combates passam a ficar interessantes usando essas habilidades. Um destes ataques seria o Cyloops, que seria um rastro da corrida, que dá dano aos inimigos que estiverem dentro. É uma habilidade extremamente útil aos jogadores, pois ela remove camadas de armaduras de inimigos.

Além disso, existem golpes a distância, onde o Sonic inflige um dano soltando ondas de choque à distância. Alguns outros movimentos, como combos super-rápidos, esquiva, aparar um tiro e chute voador. O jogador pode fazer toda essa movimentação em um combo.

Inimigos

Os inimigos variam em relação aos mapas, alguns são bem auto explicativos, feito o Tank, Spider e Sumo (a luta mais interessante). Existem inimigos terrestres e voadores, todos vindo do Ciberespaço para deter o Sonic. No entanto, não existe uma variação maior de inimigos e isso se torna maçante com o tempo.

Após pegar as Esmeraldas do Caos, Sonic tem a tarefa de enfrentar o Titã do jogo, que parece um grande Colossus e para isso, o Sonic tem que se transformar em Super Sonic e travar uma grande batalha.

A nostalgia – Extra

Green Hill 1
Fonte: SEGA

A nostalgia e a diversão é algo que vai ser evidente neste novo título da franquia. A SEGA conseguiu fazer algo inédito na série e permanecer nas raízes da franquia. Em relação aos outros títulos, o Sonic Frontiers seria o mais fácil de todos os games do Sonic e a diversão continua a mesma.

Sonic Frontiers – Vale a Pena?

Sonic Frontiers é uma das surpresas do ano e traz muito potencial ao futuro da franquia, no entanto se perde em alguns conceitos de repetição de roteiro. Entretanto, ainda traz a sensação mais importante ao jogador, que é a diversão, tornando-se um dos títulos mais divertidos da franquia. A SEGA acertou precisamente quando escolheu o sistema de mundo aberto e evolução de personagem, o ouriço azul ainda está em alta, mesmo com 31 anos, que ânimo.

Sonic Review
Esta Análise foi feita com uma cópia cedida gentilmente pela SEGA

Gostando de nossos conteúdos? Nos ajude compartilhando.

Gostando de nossos conteúdos? Nos ajude compartilhando.​

VEJA TAMBÉM

Comentários: