Análises Games

Análise | The Pathless (PS5)

  • Compartilhe:
Pop Art SkinsPop Art Skins
The_Pathless

The Pathless inegavelmente é um dos jogos mais belos deste começo de geração. Apesar de ser um título crossgen, o game corre muito melhor no PS5. Desenvolvido pela mesma equipe que nos trouxe ABZU, o jogo é um frescor aos olhos e a mente. Na obra, controlamos uma caçadora. Nós temos a finalidade de dar um fim em uma maldição causada por uma praga.

Durante nossa aventura, temos o auxílio de algumas criaturas que se assemelham a divindades. Ligadas a natureza, estes seres colaboram para que o “jogo” seja virado. Logo descobrimos que um ser extremamente poderoso está ligado a corrupção. Chamado de Matador de Deuses, a criatura tem transformado os seres da região com a finalidade de cumprir seus objetivos nefastos.

Como os trailers já indicavam, temos dois “companheiros” em nossa jornada. O arco da caçadora e uma águia extremamente útil. A águia permite que a personagem pule por distâncias maiores e que consiga planar mais distante. Como uma espécie de irmandade, a relação entre a Caçadora e a Águia é desenvolvida durante todo o game, sendo um dos principais pontos fortes do título.

A Jogabilidade de The Pathless

Estruturado como um game de mundo aberto, não espere por molezas. O projeto incorpora bem o sentido de minimalismo, removendo quase todos os tutoriais. O jogo basicamente te joga no mundo e fala: se vira. É claro que vagar pelos cenários do mundo não são nenhum desprazer. Graças a direção de arte fantástica, o jogo é absurdamente bonito.

Em suma, nosso objetivo é encontrar alguns locais para coletar totens. Ao coletar estes objetos com um quê de misticismo, passamos a poder limpar as regiões. Ao limpar as regiões, somes direcionados para as divindades que mencionei acima. Como elas estão corrompidas, temos lutas mirabolantes contra chefes imensos. Estes combates são de tirar o fôlego, lembrando games como Ori and the Blind Forest e Shadow of the Colossus.

Surpreendentemente, as lutas contra os chefes são os únicos trechos focados em ação do game. Todos os outros momentos pendem para um sentido mais contemplativo, focado na resolução de puzzles e exploração do mapa. A movimentação é acelerada ao atirar em símbolos espalhados pelo mapa, fazendo com que a Caçadora se mova rapidamente.

Explorando o mapa

Como mencionei acima, o grande foco do game reside na resolução de enigmas que são espalhados pelo mundo. Todavia, não existe um mapa na obra. Você vai precisar prestar muita atenção ao seu redor para se localizar. Mas calma, existe uma espécie de sonar que guia para onde você tem que ir.

Como todo game de mundo aberto, os colecionáveis marcam presença aqui. Além de explicarem um pouco mais sobre a bela lore do jogo, eles dão dicas fundamentais para que alguns puzzles sejam resolvidos de maneira mais fácil. Por fim, a história principal pode ser completada em 6 horas, mas espere gastar até 15 horas caso queira fazer os 100% do jogo.

The Pathless: Vale a Pena?

Com toda certeza sim! Certamente o jogo é um dos melhores títulos de lançamento que o PS5 poderia ter. Apesar de ser um indie, ele cumpre bem todas as suas propostas, entregando uma experiência sólida e satisfatória. Se você gosta de jogos mais contemplativos e que geram reflexão, cogite dar uma chance a este jogo!


Para mais informações sobre games, acompanhe a Manual no Facebook, Twitter, Instagram e através de nosso canal no Youtube.

Publicado em 15 de janeiro de 2021 às 14:45h.
2021-01-15 14:45:35