Críticas

Crítica | Brightburn: Filho das Trevas

  • Compartilhe:
Pop Art SkinsPop Art Skins

Brightburn: Filho das Trevas tem a direção de David Yarovesky (A Colmeia), traz muitos elementos de um herói muito famoso da DC e mostra como seria o mundo se o “Superman” fosse mal. Não é exagero afirmar que vários detalhes da origem de Superman foram copiados, conforme descrição na sinopse adiante.


O casal Tori (Elizabeth Banks) e Kyle Breyer (David Denman) estavam com dificuldades em conceber um filho e foram agraciados pelos céus com uma nave alienígena caindo em sua residência. A nave continha um bebê e o casal resolve cria-lo como seu filho e o batizam de Brandon Breyer (Jackson A. Dunn) – eis a semelhança com a origem do Homem de Aço. Aos 12 anos o garoto Brandon começa a perceber que é diferente das outras pessoas e quem o contraria acaba sendo castigado.


O garoto possui poderes semelhantes aos do Superman, dentre eles a habilidade de voar, super-velocidade e super-força. Apesar de remeter ao clássico super-herói, o filme na verdade é de terror e tem um roteiro muito confuso e com vários furos, que deixa os espectadores sem entender o que aconteceu.


O ponto forte do filme está no seu estilo “gore e trash” onde as cenas em que Brandon ataca são bem caprichadas, com uma trilha agoniante e com efeitos de “jump scare” bem calibrados, tornando esses momentos o ponto alto do filme. E só.


Brightburn: Filho das Trevas peca por apresentar um roteiro nada original, mas ao mesmo tempo traz uma novidade ao contexto dos filmes de terror ao retratar um anti-herói. Para quem gosta de HQs e sempre quis conhecer uma versão maligna de Superman vale a pena conferir!

Publicado em 23 de maio de 2019 às 09:00h.
2019-05-23 09:00:53