Notícias

Os videogames nos deixam mais felizes, segundo estudo de Oxford

  • Compartilhe:
Pop Art SkinsPop Art Skins
videogame_e_violência

Os videogames e a saúde mental em mais um estudo

Os videogames têm um histórico de serem considerados uma influência ruim para os jogadores. No entanto, a pesquisa sobre o efeito psicológico dos jogos continua, e um estudo recente da Universidade de Oxford sugere que jogar pode ser bom para a saúde mental de uma pessoa.

O estudo foi conduzido por pesquisadores acadêmicos da Universidade de Oxford. Os pesquisadores entrevistaram 3.274 jogadores com questionários psicológicos e registros de tempo jogando dois jogos populares, Animal Crossing: New Horizons e Plants vs. Zombies: Battle for Neighbourville. Verificou-se que a hora de jogar e fortes conexões sociais com outras pessoas se correlacionavam com uma sensação de bem-estar.

Videogames

Você pode encontrar o artigo completo, escrito pelo Professor Andrew Przybylski e os pesquisadores Matti Vuorre e Niklas Johannes, neste link. Abaixo, selecionamos algumas das citações mais relevantes neste interessante estudo de videogames.

O estudo

[…] encontramos uma pequena relação positiva entre tempo de jogo e bem-estar para os dois jogos. Não encontramos evidências de que essa relação foi moderada por satisfações de necessidades e motivações. No geral, nossas descobertas sugerem que a regulamentação dos videogames, com base no tempo, pode não trazer os benefícios que muitos podem esperar, embora a natureza correlacional dos dados limite essa conclusão.

A relação entre o tempo de jogo e o bem-estar foi positiva em duas grandes amostras. Portanto, nosso estudo fala contra a necessidade imediata de regulamentar os videogames como uma medida preventiva para limitar o vício em videogames. De qualquer forma, nossos resultados sugerem que jogar pode ser uma atividade que se relaciona positivamente com a saúde mental das pessoas – e a regulamentação dos jogos pode reter esses benefícios dos jogadores.

Przybylski comenta como grandes instituições como a Organização Mundial da Saúde e o NHS não têm trabalhado com bons dados sobre o assunto. No entanto, ele e os outros pesquisadores estão esperançosos de que este estudo e outros semelhantes produzirão um “padrão mais alto de evidência” para discussões sérias sobre videogames, saúde mental dos jogadores e subsequente formulação de políticas.


Para mais informações sobre games, acompanhe a Manual no Facebook, Twitter, Instagram e através de nosso canal no Youtube.

Publicado em 17 de novembro de 2020 às 15:40h.
2020-11-17 15:40:59