Destaque Literatura Nerd Reviews e análises

Review | Samurai, Shusaku Endo

A partir do século XVI a situação geopolítica do mundo estava prestes a mudar drasticamente, devido ao início das grandes navegações empreendidas por países europeus, principalmente Espanha e Portugal, maiores potencias marítimas da época. Países que outrora existiam isolados em seu microcosmo, seriam inexoravelmente enveredados em um ciclo global de maquinações políticas e domínio militar que se arrastaria até meados do século XXI.

As potências européias, habituadas ao violento jogo de dominação política e religiosa, estabeleceram a partir de então, inúmeras colônias e rotas comerciais ao redor de todo o mundo, subjugando grande parte das nações que visitava, impondo acordos comercias que as enriqueciam obscenamente. Porém, ao encontrar o Japão, nada mais que um pequeno conjunto de ilhas localizado no extremo oriente, a história seria diferente. Na tentativa de incluir este pequeno país isolado no distante oriente, no complexo jogo do comércio mundial das rotas dominadas pelas grandes nações, os europeus se depararam com uma civilização sólida, extremamente inteligente, cujas habilidades militares e políticas se equiparavam as européias da época.

Aproveitando-se de um evento real acontecido nas primeiras décadas do contato entre o Japão e a Europa, no início do século XVII, Shusaku Endo nos conta por intermédio de um relato de viagem, dentre outras coisas, uma história vibrante, que se passa desde o norte pantanoso do Japão, até os longínquos oceanos ocidentais e orientais acossados por magníficas tempestades que assolavam as rotas comerciais que ligavam o mundo.

Antes de falar sobre o enredo do livro em si, é imprescindível que conheçamos um pouco mais sobre o autor, que empresta ao personagem principal do livro muito da sua própria personalidade. Shusaku Endo nasceu no ano de 1923 em Tóquio, e foi criado como uma criança católica, tendo sido batizado quando contava com aproximadamente 11 anos de idade. Este fato marcaria a carreira literária e a vida de Endo, que escreveu seus romances com a singular perspectiva de um japonês e católico. Segundo o próprio, o catolicismo era uma “roupa ocidental” que não caia muito bem a seu físico japonês, mas que também não conseguia se despir, porque já tinha se tornado parte do seu corpo. É um dos maiores nomes da literatura japonesa do século XX, e entrou para a história, sobretudo após a publicação do clássico absoluto Silêncio, adaptado para o cinema japonês na década de 1970 por Masahiro Shinoda, e mais recentemente, em 2016, nos EUA por Martin Scorsese.

O Samurai piscou seus olhos. Ele sentiu o sangue de muitas gerações da família Hasekura correndo pelo corpo, seus caminhos permeando a própria vida. Ele não podia deliberadamente mudar aquele sangue nem aqueles caminhos sozinho…

Em Samurai, vamos acompanhar a jornada de Hasekura Rokuemon, um samurai de baixo escalão do xogunato japonês, que ao lado de outros três samurais de mesma hierarquia, e seus acompanhantes, são enviados como emissários do xogunato para encontrar o vice-rei da Nova Espanha (atual México). Esta comitiva é acompanhada por um ambicioso missionário franciscano que busca auxiliar o Japão a estabelecer uma rota direta de comércio com a Nova Espanha em troca da liberdade de evangelização para a sua ordem nos domínios do Xogum.

Hasekura Rokuemon, levava uma vida pacata, completamente dedicada à sua família e as pessoas que viviam sob sua responsabilidade direta. Vindo de uma antiga linhagem de samurais, aspirava, assim como seus companheiros de viagem, a reconquista das terras que pertenceram a gerações passadas da sua família, tomadas por ordens do Xogum.  Em meio a sua rotina diária de lida com a terra, sua vida sofre uma brusca reviravolta, quando é convocado pelo seu Senhor para cumprir uma missão inusitada, servir como emissário do xogunato japonês levando uma mensagem ao vice-rei da Nova Espanha, e atendendo a seu inabalável senso de dever, segue seu destino sem resistir, mergulhando de cabeça em um mundo completamente estranho ao seu, sendo envolvido em uma trama política de interesses que vão além da sua compreensão.

Os cabos rangiam, e gaivotas brancas uivavam como gatos. Antes que qualquer um percebesse o que estava acontecendo, o navio lentamente tomou seu rumo. Ao som das ondas batendo contra o casco, o samurai sentiu que um novo destino se abria para ele…

Hasekura e seus companheiros foram acompanhados pelo inescrupuloso e fanático padre Velasco, que ambiciona fincar as raízes da fé cristã no Japão. Velasco serve como guia e tradutor do grupo, porém carrega consigo suas próprias ambições, e não medirá esforços para alcançar seus objetivos, tentando manipular a comitiva sempre que lhe é conveniente.

Samurai é um romance histórico espetacular, escrito com primor e precisão histórica exemplar. Toda a jornada de Hasekura e sua comitiva é bem documentada tanto nos países europeus que visitou, quanto no Japão. A narrativa varia de tom conforme o enredo avança, sendo parte dele narrado sob a forma de anotações do padre Velasco em seu diário, e parte em terceira pessoa. De maneira geral, trata-se de uma narrativa seca, áspera e direta, com diversas camadas escondidas nas entrelinhas. A escrita de Endo possui ainda um caráter altamente imersivo, passando ao leitor de maneira avassaladora e impiedosa, as contradições culturais e dilemas pessoais que os personagens enfrentam, além de excelentes descrições dos diversos lugares visitados e povos encontrados pela comitiva.

Samurai foi publicado no Brasil pela Editora Tusquets em meados de 2016, e seguramente é uma leitura indicada a todos os amantes da boa literatura. O contexto histórico em que se embasa é por si só fascinante, e aproximadamente similar a outras obras de renome, como Xogum (James Clavell) e o jogo Nioh, que narram histórias vividas no Japão em meados do século XVII. Sem falar que acompanhar a história do ponto de vista oriental é uma experiência diferente e fascinante para a maioria dos leitores, que como eu, estão habituados à visão ocidental dos fatos.

Publicado em 3 de agosto de 2018 às 18:13h.
2018-08-03 18:13:26

  • Compartilhe: