Análises Destaque Jogos PC Playstation Xbox One

Análise | Shadows: Awakening

  • Compartilhe:
Pop Art SkinsPop Art Skins

Shadows: Awakening é um RPG de ação com combate tático em tempo real e visão isométrica em terceira pessoa, que segue padrões muito similares aos estabelecidos pela franquia Diablo (Blizzard) e outros clássicos do gênero. Desenvolvido pela Games Farm e distribuído para Steam, Playstation 4 e Xbox One pela Kalypso Media Digital, o jogo traz inovações na jogabilidade, além de incrementar novos elementos à uma mecânica a muito estabelecida e cultuada por milhões de fãs de RPG.

Em Shadows: Awakening vamos acompanhar uma nova aventura da Saga Heretic Kingdoms, aqui você assumirá o papel do Devorador, um demônio que possui a capacidade de consumir as almas de heróis mortos. A Games Farm se propôs a trazer um jogo original e inovador, onde nos aventuraremos em uma jornada épica e desafiadora, será que conseguiram? É o que vamos descobrir agora!

O DESPERTAR DAS SOMBRAS

Shadows Awakening como todo bom RPG, nos apresenta uma história complexa e rica em detalhes, contada por intermédio de diálogos com NPCs e em livros e pergaminhos espalhados pelo jogo. Em um mundo dominado por uma autoridade absoluta conhecida como Teocratic, que faz uso de símbolos religiosos para manter a população sob seu domínio, um grupo se rebela e cria uma misteriosa ordem chamada de The Veil. Esta Ordem tinha como objetivo livrar o mundo da opressão religiosa mantida pelo Teocratic. Porém, para dar fim a um grande poder, é necessário mais poder ainda. Seis anos após a fundação da Ordem, Mara, sua fundadora, encontra um meio de estender seu poder ao canalizar a essência do Deus Morto para o seu próprio corpo, mas para que isso seja possível, precisaria de um misterioso artefato conhecido como Crucible of Souls.

Fazendo uso do Crucible of Souls a Ordem passa a canalizar a essência dos mortos pelo Veil, a barreira que separa os mundos dos mortos do mundo dos vivos, conseguindo dessa maneira derrotar o Teocratic. Porém o que a Ordem não sabia, era que a cada vez que fazia uso desse artefato, o limite entre os mundos ficava mais tênue e seguida inexoravelmente em direção ao desequilíbrio.

Depois que os membros do conselho secreto da Ordem, conhecido como Penta Nera são assassinados, suas almas são consumidas pelos Devoradores – demônios malignos que possuem a capacidade de absorver as memórias e personalidades das almas que eles adquirem e materializá-los como seus fantoches. Reemergindo no reino mortal mais uma vez, os Penta Nera demoníacos continuam sua busca por poder e imortalidade, mas a que custo? Caberá a você incorporar um Devorador invocado por um Alto Mago exilado da Ordem, unindo forças a poderosos Heróis a muito caídos, e partir em uma desesperada missão que busca restaurar a ordem dos mundos por intermédio da destruição do Crucible of Souls. Mas quem está no comando … o demônio ou as almas que devorou? Cabe a você frustrar uma grande ameaça e salvar o mundo, ou mergulhá-lo em completo desastre…

UM CONTO DE DOIS MUNDOS

Em Shadows: Awakening vamos assumir o papel de um Devorador, transitando dessa maneira entre o mundo dos mortos e o dos vivos. E nessa premissa se baseia toda a mecânica de jogo proposta pela Games Farm. Logo no início da campanha principal termos a opção de devorar a alma de um grande herói, que pode ser um Bárbaro, um Hunter e uma Maga. Cada um deles tem uma história de fundo que evolui ao longo do gameplay em missões especificas ao personagem inicialmente escolhido, além de diálogos com determinados NPCs.

A narrativa não foge ao padrão estabelecido pelos clássicos, e se desenvolve por diálogos com NPCs ao longo das missões principais. Teremos ainda acesso a uma infinidade de missões secundárias com histórias paralelas à principal, e em algumas delas descobriremos mais de uma alma para devorar.

O Devorador possui a capacidade de capturar diversas almas, e conforme avançamos no jogo, podemos capturar a alma de até 14 heróis, de três classes específicas: Bárbaros, Hunters e Magos. Cada uma dessas classes possui pontos fortes e pontos fracos, além de todo um arsenal de armas característicos e ataques especiais únicos. Quando sob a forma de Devorador, vamos explorar exclusivamente o mundo dos mortos, que é basicamente um reflexo borrado e sinistro do mundo dos vivos, mas que possui elementos unicamente ligados a está dimensão. Quando sob a forma de um dos heróis dominados pelo Devorador, transitaremos no mundo dos vivos. Estas dimensões paralelas completam uma a outra, e ao longo da exploração nos depararemos com uma series de puzzles com dificuldades variáveis, onde a resolução, quase sempre, vai exigir uma alternância entre os mundos.

O sistema de combate inicialmente aparenta ser bastante similar ao de Diablo e derivados, porém essa similaridade dura pouco, ao passo em que devoramos a alma de novos heróis, as possibilidades de ação são multiplicadas. Durante quase todo o jogo podemos alternar a ação entre o Devorador e mais outros três heróis, esse é um elemento chave do jogo que nos dá a possibilidade de criar diversas estratégias de ataque e defesa contra os inúmeros inimigos espalhados pelas dungeons de Shadows: Awakening. Por falar nos inimigos que povoam esse mundo violento e hostil, nos depararemos com uma grande variedade deles, a Games Farm parece não ter poupado esforço criativo, enfrentaremos desde monstros humanoides, até bestas selvagens, hordas de undeads e outros devoradores que controlam suas próprias marionetes. Boa parte desses monstros vagam entre as duas dimensões, e alguns deles são exclusivos de uma ou outra. O sistema de progressão do jogo segue os moldes padrões de RPGs do gênero.

Os controles funcionam bem a maior parte do tempo, porém nos depararemos com alguns problemas que podem ser irritantes, especialmente durante a resolução de alguns puzzles. Há momentos em que eles demandam ações que devem ser executadas com um timing preciso, e muitas vezes, ao invés de acionar aquela bendita alavanca no tempo correto, você verá seu herói atacando o vento e estragando o seu rolê! Durante o gameplay ocorrem alguns lags e quedas de frame rate, porem são pontuais e não chegam a atrapalhar o avanço do jogo.

O REFLEXO NO ESPELHO

Os gráficos de Shadows: Awakening são excelentes, nada que já não tenhamos visto em outros jogos, porém aqui o grande destaque vai para a riqueza de detalhes e a complexidade dos cenários, que apresentam um level design excelente com um jogo de luz e sombras que dá vida aos mundos explorados.

Uma história verdadeiramente épica, merece uma trilha sonora a altura, e a Games Farm fez isso com primor, as músicas do jogo são um espetáculo a parte, ditam o tom da ação e acompanham muito bem os momentos de exploração, conseguindo estabelecer a atmosfera ideal durante todo o jogo. Vale ressaltar ainda a excelente dublagem (em inglês) de todos os personagens principais e NPCs do jogo (todos os diálogos são dublados).

CONCLUSÕES

A Games Farm se aventura com Shadows: Awakening em meio a um estilo de jogo marcado por uma mecânica a muito estabelecida, e adorada por milhões de fãs de RPG, e ouso dizer, com muita propriedade e originalidade. A dinâmica de jogo proposta aqui é absolutamente arrebatadora e divertida, mantendo todo o gameplay no mais elevado nível de entretenimento, e mesmo que comparações com clássicos do gênero possam ser feitas, trata-se de um jogo notadamente relevante e inovador, que pode proporcionar tanto aos jogadores de RPG mais hardcores quantos aos novatos, literalmente dezenas de horas de diversão e desafio.

Se você se aventurou por Diablo 3, Baldur’s Gate ou mesmo Divinit Original Sin, seguramente você vai se sentir em casa ao jogar Shadows: Awakening. É um excelente RPG, com um bom enredo e uma mecânica de jogo criativa que merece ser conferida pelos entusiastas do gênero. Com uma campanha que pode variar entre 25 e 70 horas de jogo, pode ser encontrado por valores justos na Steam (R$ 67,15), Playstation 4 (PSN: R$ 170,00; mídia física: R$129,00) e Xbox One (Digital: R$ 84,15), e nós garantimos, vale cada centavo!

“Uma cópia de Shadows: Awakening foi gentilmente cedida à Manual do Games para análise pela Kalypso Media

Publicado em 31 de agosto de 2018 às 12:50h.
2018-08-31 12:50:48