Análise Análises Destaque Jogos pc PC

Análise | Rise of Ages

  • Compartilhe:
Pop Art SkinsPop Art Skins

A produção de jogos indies no Brasil vive! E continua produzindo incríveis títulos que são verdadeiros sucessos a nível mundial, recebendo críticas entusiasmadas, indicações e premiações relevantes para o meio. Podemos citar aqui os sucessos mais recentes alcançados por Horizon Chase Turbo, jogo arcade de corrida lançado para Playstation 4 e o impressionante Sword Legacy: Omen, RPG tático lançado via Steam, respectivamente produzidos pelo estúdio gaúcho Aquaris, e uma parceria entre os estúdios cariocas Firecast Studio e Fableware Narrative Design.

Seguindo essa linha de excelentes produções o Anguis Game Studio, desenvolvedora independente com base em Porto Alegre lançou no finalzinho de Janeiro o excelente Rise of Ages, um sandbox de sobrevivência, com elementos de exploração que apresenta uma progressão que promete guiar o jogador ao longo de diversos períodos de evolução da história humana, partindo do períodos pré-históricos até a idade moderna.

Venham comigo! vamos conferir agora Rise of Ages e descobrir o que a Anguis Game Studio preparou para nós.

QUE SE FAÇA A LUZ

O jogo não tem foco na narrativa, mas traz uma história base que funciona bem o suficiente para dar um início convincente a jogatina, passando logo nos primeiros instantes de game play as motivações necessárias para uma longa jornada através das eras. Tudo começa em um pequeno vilarejo, talvez na Era Paleolítica, quando guerreiros de uma tribo rival invadem as suas terras, saqueando e matando todos os que encontram pela frente, apenas você e seu amigo conseguem escapar. Após alguns acontecimentos ocorridos nos dias posteriores a destruição da sua tribo de origem, você será acolhido por uma outra grande tribo, e partindo daí conseguira lançar os pilares fundamentais para criar a sua própria comunidade.

ATRAVÉS DAS ERAS

Rise of Ages consegue imprimir uma dinâmica de jogo simples, bastante intuitiva, e que evolui de forma coerente ao longo das primeiras horas de jogo. A partir dos minutos iniciais, você será apresentado a um rápido tutorial que te ensinará os movimentos básicos. Você pode correr, saltar, realizar uma esquiva lateral, coletar frutas e outros elementos do cenário, além de fabricar e usar diversas armas, roupas e ferramentas.

O sistema de craft é excelente, com o uso de determinadas ferramentas, poderá extrair elementos básicos do cenário (rocha, argila, madeira, sílex, pedregulhos dentre outras coisas) e por intermédio deles construir ferramentas e itens mais elaborados que facilitarão a sua sobrevivência. Como é característico em jogos do gênero, além de estar sempre atento a sua alimentação, consumo de água e proteção contra o frio, você vai passar bastante tempo coletando e acumulando os recursos necessários para craftar coisas, porém, a quantidade de material necessário para a construção dos itens é coerente.

Quando fundar sua cidade, poderá convidar NPCs para morarem lá e cada um deles terá um emprego e vai trabalhar para você, poderão trabalhar em uma profissão específica, e evoluirão nela conforme o tempo passa. Além de construir sua própria cidade, é possível também conquistar cidades vizinhas por intermédio de guerras. O sistema de progressão da sua civilização se dará por intermédio do aprendizado de novas tecnologias. Inicialmente, aprenderá a dominar o fogo, partindo daí sua tribo vai evoluir ao longo de mais de 30 descobertas tecnológicas que servirão como premissa para a passagem das eras.

Ao longo das Eras você poderá se relacionar com tribos ou cidades vizinhas, e aqui será possível, além de evoluir sua própria cidade, realizar dezenas de missões principais e diversas missões secundárias oferecidas por NPCs.

Logo nos momentos iniciais do meu game play o estranhamento com os controles foi imediato, tentei usar um Joystick, porém o game não tem suporte para tal, de modo que tudo deve ser feito via mouse e teclado, mesmo se tratando apenas de movimentações laterais e saltos verticais ao longo dos cenários. O uso do mouse é bem desajeitado e em alguns momentos chega a incomodar, e além dos momentos de coleta de materiais, mais especificamente pedras, argila, sílex e afins, parece não fazer muito sentido. Por exemplo, para iniciar o diálogo com algum NPC ou interagir com algum elemento do cenário é preciso encostar o ponteiro do mouse sobre ele, depois pressionar “R”.

Outro ponto que deixa a desejar, embora não seja um grande problema, é o sistema de combate, você vai precisar caçar alguns animais, e se defender de outros. Os ataques são realizados com o botão direito do mouse, onde o movimento de ataque possui um tempo de ação estranho, que vai exigir certa paciência, principalmente contra pássaros.

O ALVORECER DE UMA NOVA ERA

Mesmo com um level design simples, Rise of Ages consegue entregar mais do que o suficiente para dar a liberdade criativa necessária ao jogador. Você poderá construir uma cidade empilhando pedras e madeira, ou até mesmo escavando o coração de uma montanha.

O art design é impressionante, e mesmo que nenhum dos elementos gráficos seja incrível, todo o game consegue passa um visual super agradável, sensação reforçada por um sistema de dia e noite que muda a iluminação dos ambientes, que são sempre muito variados, desde extensas planícies com montanhas e vulcões no horizonte, até densas florestas tropicais e desertos ensolarados.

VALE A PENA JOGAR?

Rise of Ages é um sandbox muito bom! Se você é aficionado por esse gênero, prepare-se para passar dezenas de horas evoluindo sua cidade e coletando materiais em um dos sistemas de progressão mais divertidos e viciantes. Apesar dos bugs ocasionais e problemas relacionados aos controles, trata-se de um título cativante, que tem o potencial de te manter engajado por MUITO tempo.

Rise of Ages está disponível na Steam pelo excelente valor de R$ 29,90, e eu garanto, vale cada centavo. Não deixe de prestigiar mais um excelente jogo indie completamente produzido no Brasil e apoie esse excelente título.

Uma copia de Rise of Ages foi cedida à Manual dos Games para análise pela Anguis Game Studio

Publicado em 16 de fevereiro de 2019 às 20:14h.
2019-02-16 20:14:54