Análise Análises Destaque Jogos Lançamentos Nintendo pc PC Playstation ps4 Sony Xbox One xone

Análise | Truberbrook

  • Compartilhe:
Pop Art SkinsPop Art Skins

Produzido pela desenvolvedora independente btf, sediada na Alemanha, Truberbrook é o resultado de uma campanha de sucesso no Kickstarter. Trata-se um jogo de point-and-click clássico, com alguns elementos mais modernos. O ponto alto está, tanto na narrativa, quanto em um design de arte impressionante, segundo os próprios desenvolvedores construído quase que artesanalmente.

BEM VINDO A TRUBERBROOK

Como citado anteriormente, Truberbrook tem um foco quase que completamente voltado para a narrativa, que se desenvolve tanto graficamente, quando ao longo de diálogos com os diversos personagens que povoam essa vila misteriosa. Ele possui um ritmo próprio, geralmente lento e contemplativo, mas que nos reserva bons momentos de emoção e mistério, bem aos moldes de series de TV como Arquivo X e Twin Peaks, segundo os produtores fontes de inspiração para a elaboração da história.

A história se passa em um pequeno vilarejo rural no interior da Alemanha, no final dos anos de 1960. Você vai se aventurar nos mistérios de Truberbrook na pele de um jovem físico americano, Tannhauser, que acaba indo passar suas férias em um resort nesse pequeno vilarejo. Ele vai utilizar seu tempo livre nesse povoado paradisíaco para trabalhar em sua tese de PhD. Porém essa cidade guarda mais mistérios que a física dos anos 60 poderia explicar e lá, Tannhauser vai se envolver com mistérios incríveis.

Logo após a sua chegada acontecimentos misteriosos começam a acontecer: documentos da sua tese de PhD desaparecem da sua mala, e alguém parece ter invadido seu quarto. Alguém ou alguma coisa parece estar tentando fazer contato com você, mas quem?

Conforme você avança no jogo vai percebendo que todos os habitantes desse pacato vilarejo são uns mais estranhos que os outros. Apenas uma jovem cientista, Gretchen, que também está hospedada no resort, parece normal aos olhos de Tannhauser. Porém Gretchen não tem nada de pacata, e logo vai te recrutar para uma grande aventura.

NADA ACONTECE POR ACASO

O gameplay em Truberbrook é eficiente, e logo nos primeiros minutos da campanha o jogo vai te mostrar tudo o que você precisa fazer para investigar o cenário e interagir com alguns objetos chaves com o objetivo de solucionar os diversos puzzles que te acompanharão ao longo de toda a campanha.

Aqui você pode andar e interagir com objetos indicados por pontos vermelho ao longo do cenário. Coletando ferramentas ou objetos que te auxiliarão na solução dos puzzles. Tudo muito simples e até certo ponto superficial, mas que funciona a contento dentro do que o jogo se propõe. Não se esqueça que o foco é na narrativa.

E essa narrativa se desenvolve em um ritmo próprio, com uma ambientação gráfica vintage lindíssima, que aliadas a uma trilha sonora precisa, criam um clima de envolvimento e mistério que vão despertar a sua curiosidade e motivação para seguir até o final dessa jornada que acaba revelando-se uma história de ficção cientifica de primeira.

VALE A PENA JOGAR?

Truberbrook é mais um dos excelentes jogos independentes lançados em 2019. Com um arte design arrebatador, criada quase que artesanalmente, além de uma história que vai te manter atento o tempo inteiro, é seguramente uma excelente pedida para os jogadores que estão buscado um jogo com uma história de ficção cientifica intrigante, que consegue criar um clima imersivo e envolvente.

Porém não é para qualquer um, apesar de possuir qualidades que, pessoalmente falando, são um imã para mim, possui um ritmo de jogo próprio, que em diversos momentos pode parecer lento para alguns.

Publicado em 21 de maio de 2019 às 11:24h.
2019-05-21 11:24:43